fbpx

Mês do Orgulho LGBT: Como Trazer A Sua Marca Para Essa Causa

(Last Updated On: 16 de maio de 2022)

Em vários países do mundo, o mês do orgulho LGBT é marcado por várias manifestações em favor dos direitos da comunidade. 

As ruas ficam mais coloridas e recebem as famosas paradas, reunindo milhões de pessoas que marcham com faixas e figurinos especiais, proferindo discursos empoderados sobre temas importantes para esse grupo. 

No ano de 2019, a 23ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo (SP) reuniu mais de 3 milhões de pessoas. Já no ano de 2020, a edição aconteceu de forma remota, por conta da pandemia da Covid-19, e reuniu mais de 1 milhão de espectadores simultâneos. 

Com isso, muitas marcas se envolvem no processo e ganham visibilidade desse público. 

Para te ajudar a se trazer a sua empresa para esta causa, nesse artigo você poderá ler sobre: 

  • por que junho é o Mês do orgulho LGBT?
  • por que criar ações para o Mês do Orgulho LGBT?
  • como a sua marca pode apoiar o Mês do Orgulho LGBT?

 Por que junho é o Mês do orgulho LGBT? 

O Mês do orgulho LGBT conta com uma série de eventos de ações afirmativas para a comunidade. 

A chamada “Rebelião de Stonewall” definiu junho como o período voltado para essas manifestações. Isso porque esse processo histórico contou com uma série de protestos violentos e espontâneos de pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais e Trangêneros (LGBTs) contra uma invasão da polícia de Nova York no bar Stonewall Inn, em 28 de junho de 1969. 

Depois dos motins, diversas organizações foram fundadas ao redor dos Estados Unidos e do resto do mundo e, em 1970, as primeiras marchas do orgulho gay aconteceram em cidades como: 

  • Nova York;
  • Los Angeles;
  • São Francisco;
  • Chicago.

Por que criar ações para o Mês do Orgulho LGBT?

Um estudo realizado pelas secretarias de atenção primária e vigilância do Ministério da Saúde, a cada hora um LGBT é agredido no Brasil e infelizmente esse preconceito e violência também tem reflexo dentro das organizações. 

Um levantamento feito pelo linkedIn, com 1.088 brasileiros, mostrou que metade dos profissionais LGBTs não falam abertamente sobre o assunto dentro do ambiente de trabalho. 

A mesma pesquisa revelou que pelo menos 22% dos profissionais revelam não tratar do tema por medo de sofrer represália por parte dos colegas. 

Por isso, é muito importante que as marcas se envolvam nesse tipo de causa para gerar um ambiente mais saudável para os seus colaboradores. 

Além disso, é possível utilizar a temática como estratégia de branding para divulgar a sua empresa.

Melhores Mochilas para Brindes

 Como a sua marca pode apoiar o Mês do orgulho LGBT?

É perceptível como essa questão é importante de ser tratada dentro das organizações, para além do Mês do orgulho LGBT. Por isso, saiba como trazer essa causa para dentro da sua empresa:

1. Workshops sobre comunicação inclusiva

É importante que a instituição garanta medidas educativas para toda a equipe e uma das possibilidades é proporcionar eventos corporativos voltados para uma comunicação inclusiva e não violenta, como: 

  • feiras;
  • workshops;
  •  e palestras.

Nessa ocasião, é possível contratar especialistas para treinar a equipe para resolver conflitos e situações corriqueiras. 

 2. Treinamento para inclusão LGBTQI+ 

As empresas devem se preocupar e priorizar ações para garantir um ambiente de trabalho seguro e confortável, muito além do Mês do orgulho LGBT. 

Para isso, realizar um treinamento em inclusão vai render bons frutos nesse sentido. 

Para isso, o conteúdo deve ser voltado para o conhecimento da empatia e focar em tópicos que envolvam o entendimento do significado de ambiente seguro, além de conceitos e terminologias essenciais. 

3. Incentivo financeiro para ONGs e instituições voltadas para a causa 

Muitas instituições e ONGs realizam um trabalho robusto voltado para pessoas em vulnerabilidade social. 

Um bom exemplo é a  Casa Um, que desenvolve projetos e possui uma clínica social com mais de 60 profissionais. Outra instituição de referência é o EternamenteSOU, um centro para idosos LGBTs. 

É possível contribuir financeiramente com esse tipo de organização para contribuir para ações efetivas no cotidiano da comunidade. 

4. Grupo de troca sobre vivências 

Por fim, se pelo menos 22% dos LGBTs não falam sobre o assunto no ambiente de trabalho, segundo a pesquisa “Pround at Work” desenvolvida pelo LinkedIn, é importante criar grupos de afinidade dentro das instituições. Isso faz com que colaboradores LGBTs tenham a possibilidade de criar laços e uma rede de apoio para se sentirem melhor. 

Esse tipo de ação faz com que o sentimento de pertencimento cresça dentro da empresa e, por consequência, os colaboradores podem trabalhar com maior segurança psicológica. 

Além do mês LGBT, outras causas têm tomado os holofotes e ganhado bastante visibilidade. Com isso, marcas do universo corporativo já têm mudado o seu posicionamento e ajudado o seu público a se identificar com os seus valores. 

Por isso, conheça outras ideias ativistas que estão no topo das tendências e comece a pensar como incluí-las na sua marca. 

 

Leave a Reply